A crescente pressão sobre os recursos hídricos, além do aumento e da diversificação das fontes de poluição, torna o acompanhamento das alterações da qualidade das águas cada vez mais necessário, de maneira a subsidiar ações de proteção e recuperação ambiental, visando à garantia dos usos atuais e futuros.

 

São consideradas águas interiores aquelas compreendidas entre a costa e a linha de base reta, a partir de onde se mede o mar territorial; as águas dos portos e as águas das baías, rios, lagos, lagoas e canais. O Inea conta com 317 estações de monitoramento da qualidade da água, do sedimento e da biota, distribuídas em rios, baías, lagoas e reservatórios do Estado. Cerca de 60% destas estações estão localizadas em rios e em maior densidade na região metropolitana do estado. 


Coordenadas Geográficas das Estações de Amostragem - Águas Interiores
 

aguas interiores

 


Em 2011, o monitoramento da qualidade da Lagoa de Araruama foi intensificado. Além disso, a partir de 2012 foi ampliado o monitoramento nas bacias da Baía de Guanabara e da Baía de Sepetiba, através da criação de novas estações de amostragem distribuídas pela região. Iniciou-se, em 2013, o monitoramento sistemático da Baía da Ilha Grande e de sua respectiva bacia de drenagem. No caso da região Norte Fluminense e região Metropolitana no ERJ, em 2014, o monitoramento foi expandido através do estabelecimento de uma rede de amostragem mais densa e representativa.