São insetos que parasitam externamente aves e mamíferos. Possuem hábitos cosmopolitas, isto é, adaptam-se perfeitamente em qualquer local, inclusive aqueles com pouca exigência de condições ambientais.

No ambiente urbano, estes ectoparasitas têm como hospedeiros os cães, os gatos e também o homem.

Machos e fêmeas são hematófagos. O hábito de picar para sugar o sangue não confere ao animal parasitado apenas um desconforto, pois as pulgas têm grande importância em saúde pública como transmissoras de viroses, verminoses e doenças transmitidas por bactérias, além dos processos alérgicos causados pelas secreções salivares liberadas no local da picada a fim de impedir a coagulação do sangue do hospedeiro e de infecções secundárias ocasionadas pelo ato de coçar a parte do corpo irritada, variando de acordo com a sensibilidade de cada indivíduo.

Existem cerca de 2500 espécies catalogadas, das quais aproximadamente 60 espécies tem ocorrência no Brasil.

As pulgas não possuem asas, locomovendo-se, exclusivamente, por meio das patas, que são bastante desenvolvidas, apresentando o último par bem desenvolvido e adaptado ao salto. Pode-se dizer que as pulgas “voam” com as patas, pois o salto pode alcançar distâncias bem superiores ao comprimento do seu corpo.

Algumas espécies parasitam o hospedeiro apenas para se alimentar, abandonando-o em seguida (Pulex irritans – pulga do homem), outras tem hábito penetrante, perfurando o tecido do hospedeiro para se instalar (as fêmeas da Tunga penetrans – bicho-de-pé), e a grande maioria abriga-se no corpo do hospedeiro (Ctenocephalides felis – pulga do gato; Ctenocephalides canis – pulga do cão; Xenopsylla cheopis – pulga do rato; etc.)

Medidas corretivas ou preventivas

Pulgas (Ctenocephalides canis, Ctenocephalides felis, Xenopsylla brasiliensis, Xenopsylla cheopis, Pulex irritans)

  • Retirar o acúmulo de poeira e detritos em frestas de assoalho, carpetes, tapetes, etc.
  • Manter o assoalho e as junções do rodapé‚ calafetados e encerados, pois a cera tem efeito desalojante.
  • Adotar medidas de prevenção e controle de roedores, para evitar instalação por pulgas provenientes dos mesmos.
  • Cuidar da higiene dos cães, gatos e outros animais domésticos, mantendo sempre limpos seus locais de repouso.

Bicho do pé (Tunga penetrans)

  • Observar com frequência as patas dos animais domésticos, pois podem estar parasitados.
  • Lavar abundantemente, com água e sabão, os locais infestados pelo bicho do pé.
  • Limpar e encerar o assoalho frequentemente.
  • Andar calçado em áreas de criação de animais principalmente, quando o solo for arenoso