Carnívoras por excelência, as aranhas alimentam-se de pequenos artrópodes, preferencialmente insetos. Algumas espécies, como as grandes aranhas caranguejeiras, são vorazes caçadoras de pequenos vertebrados. Deste hábito bastante característico, surge sua principal função ambiental: a manutenção do equilíbrio ecológico.

Possuem um par de quelíceras, cuja função é inocular na vítima a toxina sintetizada por glândulas especiais, conferindo a inclusão das aranhas no grupo de animais peçonhentos. A presença de glândulas sericígenas é outra particularidade do grupo e diferencia as aranhas em dois grandes grupos: sedentárias e errantes.

As aranhas sedentárias permanecem praticamente todo o seu tempo numa teia geometricamente elaborada, exercendo suas funções biológicas e aguardando, pacientemente, a chegada da fonte alimentar. Este grupo é inofensivo ao homem e deve ser preservado, pois exerce importante papel no equilíbrio ecológico.

As aranhas errantes usam as teias para rituais de acasalamento, proteção da bolsa de ovos e outras funções, preferindo buscar seu alimento de forma ativa. Neste grupo estão as espécies de importância médica, destacando-se:

  • Aranhas armadeiras (Phoneutria sp) - São muito conhecidas pela sua agressividade, pois quando incomodadas, erguem-se sobre o último par de patas e saltam em direção à vítima. Possuem hábitos noturnos ou crepusculares e durante o dia escondem-se em locais escuros, geralmente em jardins com vegetação densa. Penetram acidentalmente em residências abrigando-se dentro de sapatos, atrás de móveis, cortinas ou quadros. No homem, sua peçonha causa dor violenta que persiste por algumas horas.
  • Aranhas marrons (Loxosceles sp) - São pequenas, com tamanho variando entre 8 e 15 mm de comprimento. Apresentam coloração marrom amarelada e praticamente não possuem pelos. Constroem pequenas teias em locais escuros das residências. São encontradas também em pilhas de tijolos ou de telhas. Não possuem comportamento agressivo. Sua picada é acidental, ocorrendo geralmente quando são espremidas contra o corpo ao vestir roupas infestadas ou na manipulação de objetos onde estão abrigadas. A peçonha provoca dor intensa no local da picada, ocorrendo febre, náuseas, vômito e até a morte.
  • Viúvas negras (Latrodectus sp) - Quase imperceptíveis no ambiente onde vivem, estas pequenas aranhas que medem, aproximadamente, 1cm de comprimento, podem ser facilmente reconhecidas por apresentarem o abdome arredondado, negro e com desenhos geométricos vermelhos.Não são agressivas e quando molestadas permanecem imóveis, como se estivessem mortas. Sua peçonha é altamente tóxica, provocando dores agudas, irritabilidade, paralisia intestinal, taquicardia e vários outros sintomas. Entretanto, os registros de acidentes são raros, pois preferem viver em locais distantes da presença do homem.
  • Aranhas de grama (Lycosa sp) - Conhecidas também como tarântulas, são encontradas com facilidade em terrenos baldios, áreas de grama e até em jardins bem conservados, preferencialmente no entorno de piscinas, onde constroem tocas para abrigo. Podem ser reconhecidas por apresentarem no dorso do abdome um desenho negro em forma de seta, apontando para a direção da região anterior do corpo. Não constroem teias e não são domésticas.Eventualmente, podem penetrar em residências, de onde fogem quando molestadas.Sua peçonha não é letal, causando dor inicial moderada, ocorrendo depois a formação de uma ferida de difícil cicatrização.
  • Aranhas caranguejeiras - Esta é a denominação popular para as grandes aranhas peludas que habitam naturalmente os fundos de florestas ou de áreas arborizadas. São assustadoras, mas quase inofensivas. Não causam danos à saúde humana, exceto as reações alérgicas provocadas pela liberação dos pêlos abdominais, utilizando para isso o último par de patas, seu principal mecanismo de defesa. São úteis ao homem, pois alimentam-se de outras aranhas perigosas e de vários tipos de insetos, auxiliando na manutenção do equilíbrio ecológico. Sua peçonha não é muito tóxica e as pessoas picadas sentem dor local, perfeitamente suportável.

Medidas corretivas ou preventivas

Aranhas (Latrodectus sp, Phoneutria sp, Lycosa sp e Loxosceles sp)

  • Manter limpos os jardins, aparando e cortando a vegetação excedente;
  • Não plantar bananeiras próximas à residência;
  • Em local muito arborizado, fechar portas e janelas da residência ao entardecer;
  • Manter fechados armários e gavetas que se constituem em excelente local de abrigo;
  • Examinar roupas e calçados antes de usá-los, principalmente quando tenham ficado expostos ou espalhados pelo chão;
  • Investigar a presença de aranhas em objetos e móveis que tenham sido guardados por períodos prolongados em ambientes escuros.